quinta-feira, 24 de maio de 2012

RADICAIS FORMADOS NA QUARTA TURMA

   Dia 7 de Abril celebramos a formatura da quarta turma do Radical Amazônia. Cinco Radicais chegaram ao fim dos três meses de treinamento e já foram enviados para comunidades ribeirinhas no interior do Amazonas.
   Gutemberg, Karol, Patrícia, Lúcio e André estão agora trabalhando em prol da evangelização dos ribeirinhos. Conheça mais sobre cada um desses grandes servos que colocaram suas vidas a serviço do Rei Jesus. E não se esqueça de colocá-los em suas orações!

LÚCIO
 Lúcio é um jovem do interior do Estado de São Paulo que trancou seu curso de Teologia e deixou família para dedicar um ano de sua vida em prol da evangelização dos povos ribeirinhos do Amazonas. Lúcio está agora no inteiror do município de Codajás. Para saber mais sobre a trajetória de Lúcio ao longo do treinamento, clique AQUI.


PATRÍCIA
 Patrícia é uma jovem vinda dos Estados Unidos que deixou seu país, igreja e familiares para vir evangelizar os ribeirinhos no Amazonas. Patrícia chegou aqui no Brasil sem saber falar uma palavra em português. Seu processo de adaptação foi duro e longo mas ela venceu todos os  obstáculos e hoje está atuando no interior do município de  Autazes. Para saber mais sobre a trajetória de Patrícia ao longo do treinamento, clique AQUI.


ANDRÉ
 André é um jovem vindo do interior do Estado de São Paulo que deixou seu emprego, família e ministério a fim de trabalhar na evangelização dos povos ribeirinhos do Amazonas. André contraiu malária logo no início do projeto, mas se reestabeleceu e está firme e atuante no inteiror do município de Codajás, juntamente com Lúcio. Para saber mais sobre a trajetória de André ao longo do treinamento, clique AQUI.


KAROL
  Karol é uma jovem nascida no Estado de Sergipe. Formada em biologia e atuante em sua igreja, Karol deixou tudo para trás a fim trabalhar em prol da transformação de vidas no interior do Amazonas. Atualmente, Karol está traballhando no interior do município de Autazes, juntamente com Patrícia. Para saber mais sobre a trajetória de Karol ao longo do treinamento, clique AQUI.


GUTEMBERG
  Gutemberg é um testemunho vivo do poder de regeneração de Jesus na vida de uma pessoa. Resgatado da cracolândia em São Paulo, Gutemberg deu mais um passo ousado em sua caminhada com Jesus: deixou seu passado parar trás e decidiu trabalhar em prol da evangelização de comunidades ribeirinhas do Amazonas. Atualmente, Gutemberg está trabalhando na base do Radical Amazônia, próximo a comunidade São João do Tupé, inteiror de Manaus. Para saber mais sobre a trajetória de Gutemberg ao longo do treinamento, clique AQUI.

sábado, 28 de abril de 2012

Missionários Rafael e Nayara dão Entrevista na Revista FelizCidade

A Revista FelizCidade, publicada pela Primeira Igeja Batista em São José dos Campos, lançou na edição de 15/04/2012 uma matéria sobre o projeto Radical Amazônia, a qual traz uma entrevista com os missionários Rafael e Nayara. Confira a gora a entrevista na íntegra:



FelizCidade(FC): Qual é o lugar que vocês estão indo?

Rafael (R): Nós iremos para Manaus, com vistas a criar um centro de treinamento para jovens missionários dispostos a trabalharem em prol da evangelização das comunidades ribeirinhas da região Amazônica. Esse projeto é chamado de Radical Amazônia, e é uma inciativa da Junta de Missões Nacionais em parceria com a PIB de São José dos Campos.

FC: O que pretendem realizar por lá?

R: Nosso compromisso consiste em ganhar a Amazônia para Jesus. Estamos focados no trabalho com as comunidades ribeirinhas e nossa estratégia é plantar igrejas por meio de Pequenos Grupos que pretendemos iniciar nas mais de 30 mil comunidades espalhadas por todo território amazonense. Para essa missão, contamos com o heroico esforço dos jovens radicais que dedicarão dois anos de sua vida para imergirem nessas comunidades, iniciando pequenos grupos, fazendo discípulos, treinando liderança local e deixando uma igreja plantada na comunidade. No início desse período de dois anos, eles passarão por um treinamento de três meses na base do Radical Amazônia, onde aprenderão matérias de teologia, missiologia e técnicas de sobrevivência na selva, além de aprenderem hábitos, costumes e habilidades que lhes permitirão viver dentro da cultura ribeirinha.    

FC: É normal um friozinho na barriga, ou a expectativa está maior?

R: No início, a expectativa era grande! Tão grande que obscureceu qualquer medo ou dúvida! Mas, quando a avião pousou e o comissário anunciou: “Sejam bem vindos a Manaus!”, senti um aperto no peito e o famoso friozinho na barriga. Enquanto isso, ficava a me perguntar: “O que é que eu estou fazendo aqui?!” Mas, em seguida, uma outra pergunta trouxe de volta a paz, a tranquilidade e a expectativa de antes: “Quem mandou eu estar aqui?” A certeza do chamado de Deus, lança fora qualquer  dúvida e traz-nos toda a coragem de que precisamos para avançar sempre!

Quanto ao friozinho na barriga, uma hora ou outra ele aparece! É normal! Ele só não pode te paralisar ou te fazer retroceder, mas enquanto te faz mais dependente de Deus, torna-se muito saudável!

FC: Como casal é a primeira vez que fazem uma viagem missionária?

R: Na verdade, fizemos muitas viagens missionárias juntos, mas, na época, éramos apenas amigos. Como casal de fato, essa é a primeira vez que fazemos uma viagem missionária.

Mas é interessante ressaltar que nossas histórias se uniram graças a uma viagem missionário que fizemos juntos. A primeira vez que estivemos em Manaus, estávamos em uma viagem missionária com a Cia do Lume; foi nessa ocasião que tivemos o primeiro contato com as comunidades ribeirinhas do Amazonas. A paixão por esse povo e a certeza do chamado em comum nos aproximou, de maneira que nos tornamos grandes amigos e, logo depois, namorados, noivos e casados. 

FC: Qual a importância de fazer isso juntos?

R: Eu não me sinto completo sem a Nay. É impressionante como Deus uniu nossas vidas de maneira tão perfeita! Os meus pontos fracos são os pontos fortes dela e os meus pontos fortes são os pontos fracos dela! Juntos somos melhores, no mais profundo sentido da frase! Cremos que Deus uniu nossas vidas com um propósito bem claro, e isso nos traz mais confiança para aceitar os desafios que Ele nos propõem. Não há outra pessoa no mundo que eu gostaria que estivesse ao meu lado nessa aventura mais do que a Nay! Ela é um presente de Deus!   

FC: Como está o coração para esta proposta missionária?

R: Sou a pessoa mais feliz da terra, porque Deus me deu sonhos! E é maravilhoso sonhar os sonhos de Deus! É maravilhoso olhar para minha vida e ver que todas as experiências, sejam elas boas ou ruins, cooperaram para esse momento. Hoje, eu e minha esposa estamos vivendo a realização de um sonho! Podemos fazer nossas as palavras do apóstolo Paulo:

“Agora, glória seja dada a Deus, que pelo seu grandioso poder operando em nós é capaz de faze muito mais do que nós jamais ousaríamos pedir ou mesmo imaginar, infinitamente além de nossas mais sublimes orações, anseios, pensamentos ou esperanças.” (Efésios 3.20 – Bíblia Viva)
E mais do que segurança, isso nos trás uma forte expectativa sobre o que Deus vai fazer em nossa vida e através dela!    

FC: Rafael, você já havia feito outra missão antes?

R: Fiz várias viagens missionárias no período em que estive na PIB, mas todas foram pontuais, não duraram mais do que 15 dias. A primeira foi para o Vale do Jequitinhonha, no sertão, ocasião em que um grupo da igreja participou do projeto IDE, promovido pelo Asas do Socorro. Depois, com outro grupo da igreja, fui para Corumbá, no pantanal. Estive também no sertão mineiro com os adolescentes da PIB, ajudando o projeto Oxente. Em todas essas ocasiões, trabalhei com evangelismo e teatro.

Além desses projetos, viajei também por diversas cidades brasileiras com a Cia do Lume, realizando eventos de treinamento e capacitação para obreiros de ministério infantil, além de apresentações musicais para crianças. Em uma dessas ocasiões, como falei anteriormente, eu e minha esposa conhecemos Manaus e tivemos nosso primeiro contato com as  comunidades ribeirinhas daquela região; uma viajem que marcou nossas vidas.

Posteriormente, compartilhei com o Pr. Carlito acerca do direcionamento ministerial que Deus me deu naquela ocasião. O pastor, então, me propôs mais algumas viagens para conhecer melhor trabalhos missionários que são desenvolvidos com comunidades ribeirinhas do Amazonas. Foi então que eu viajei para Parintins e, posteriormente, para Belém, a fim de conhecer alguns desse projetos, e isso só fez aumentar a certeza do que Deus queria para minha vida.

FC: Por quanto tempo ficarão lá?

R: Temos um tempo mínimo de quatro anos, depois disso, o contrato com a Junta de Missões Nacionais poderá ou não ser renovado. No entanto, nossas expectativas é de dedicar nossa vida nesse projeto. Queremos estar envolvidos diretamente nesse projeto tanto tempo quanto Deus nos permitir!

FC: Onde ficarão? No meio do povo, em alguma base?

R: A Junta de Missões Nacionais, com o apoio das igrejas, construirá o centro de treinamento em um terreno recém adquirido, localizado em uma ilha  no interior. Quando esse centro estiver construído, passaremos a maior parte de nosso tempo nele. Por enquanto, passaremos apenas as semanas que compõem o treinamento no centro provisório (dormindo em redes) e, quando não estivermos em viagem pelas comunidades dando apoio e suporte aos missionários radicais, ficaremos na cidade de Manaus.

FC: Qual é a maior necessidade lá?

R: As comunidades ribeirinhas são aglomerações de pessoas que se estendem ao longo do leito de rios e igarapés que cortam a floresta, e sua maior marca é o isolamento.  Há comunidade que só se pode chegar de barco, e estão tão afastadas que levamos mais de dois dias para chegar até elas.

 Esse isolamento impede que essas pessoas tenham acesso à educação e à saúde. Trata-se de um povo muito carente nesses aspectos. E o pior é que o assistencialismo promovido pelo governo e algumas instituições religiosos gerou uma acomodação extremamente danosa entre esse povo.

 Dado o isolamento de algumas comunidades, também é comum você encontrar pessoas que nunca ouviram falar de Jesus. Parece loucura que tal situação seja encontrada aqui no Brasil, mas é verdade! E ainda há o outro extremo: pessoas que estão tão apegadas às suas crenças e tradições que, qualquer coisa que venha de encontra com elas, é dura e violentamente rejeitado. Há lugares em que, se um ribeirinho se converte a Jesus, é expulso da comunidade pelos seus vizinhos.

Dado esse fato, precisamos de missionários que doem tempo considerável da sua vida para viver junto às comunidades ribeirinha, ensinando-os, dia-a-dia, quem é Jesus por meio de suas atitudes. Missionários valentes que enfrentem as barreiras naturais impostos pelo clima e pela geografia, e levem o evangelho até os confins da terra, literalmente!   

FC: Vocês fizeram algum tipo de preparação para irem a campo?

R: Passamos 15 dias no treinamento de missionários da Junta de Missões Nacionais, no Rio de Janeiro. Lá tivemos toda a capacitação necessária para o projeto, aprendemos acerca da história, filosofia e funcionamento dessa organização missionária, além de termos contato com todas as ferramentas e recursos que eles colocarão a nossa disposição.

 Nosso contato com a Junta se deu por meio da parceria que eles firmaram com a PIB de São José dos Campos. Dentro dessa parceria constava o envio de um casal missionário para trabalhar como treinadores no projeto Radical Amazônia. Foi aí que eu e minha esposa entramos em cena!

FC: É desafiador fazer missões? Por que escolheram fazer missões?

R: A vida cristã é em si um desafio e fazer missões faz parte desse desafio, seja enfrentando os perigos da selva amazônica ou a hostilidade de seus vizinhos e amigos do trabalho ou da escola. Mas o que nos impulsiona nesse desafio em especial é o sonho que Deus graciosamente compartilhou conosco.

Meu chamado se deu aos cinco anos de idade! Cresci ouvindo as histórias dos grandes missionários, contadas na Escola Bíblica e sonhava em viver aventuras como aquelas! Em quanto meus amigos sonhavam em ser médicos, bombeiros e policias, eu sonhava em ser missionário. A Nay  foi  consagrada desde o  ventre de sua mãe para ser missionária e cresceu ouvindo essa história, alimentando a certeza de que um dia Deus a levaria para esse trabalho. A escolha por missões, então, não foi nossa, Deus nos deu esse sonho e o alimentou desde cedo em nossos corações. Ele uniu nossas vidas e nos trouxe até aqui!    

FC: Para quem falta coragem, qual o conselho que você dá?

R: Não há lugar melhor para se estar do que no centro da vontade de Deus! É o fato de sonhar os sonhos d’Ele que nos dá coragem. Quando lutamos por nossos sonhos, eles podem ou não dar certo, podem ou não trazer felicidade. Essa insegurança nos faz desistir frente às dificuldades e lutas por que passamos.  Mas, quando sonhamos os sonhos de Deus, quando estamos no centro de sua vontade, temos a certeza e a confiança de que, aconteça o que acontecer, tudo vai dar certo!

“Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” (romanos 8.28)

Os nossos sonhos podem ser frustrados, são tão inseguros e instáveis quanto uma bolha de sabão! Mas os sonhos de Deus são eternos e seguros; Isso nos dá coragem para prosseguir! Aliás, esse era o segredo do apóstolo Paulo:

“Aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo, em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Fiipenses 4.11b,12)
Empenhe-se em buscar e sonhar os sonhos de Deus! Quando você perceber que está no centro da vontade do Pai, verá que nenhuma coragem te faltará! Poderá enfrentar qualquer situação, tal qual o apóstolo Paulo! 

FC: Qual a sua maior preocupação?
Nayara (N): Não perder o foco! Permanecer sempre sensível à voz de Deus, acredito que esse é o único segredo para manter-se firme mesmo diante das situações difíceis.
FC: O fato de ir com o marido alivia alguns medos?
N: Com certeza, o Rafa é um presente de Deus em minha vida! Ele me protege, me encoraja e expressa o amor de Deus por mim! Na verdade, ele me encoraja demais; sempre tenta me fazer olhar além das circunstâncias. Junto com ele eu me sinto mais forte!
FC: Você já esteve em missões anteriormente?
N: Já passei por outras experiências missionárias. Em cada uma delas, guardo um aprendizado da parte de Deus. Sinto que Ele estava me preparando para o momento que vivo hoje.  Vejo cada uma dessas experiências como uma pecinha de quebra-cabeça; isoladamente parecem não fazer muito sentido mas, juntas, revelam o plano de Deus na minha vida.
FC: O que espera encontrar por lá?
N: Espero encontrar pessoas que tenham em seus corações o mesmo ímpeto do sonho que nos trouxe até a região amazônica; pessoas com quem possamos compartilhar nossas lutas e anseios e também celebrar os frutos que virão. Verdadeiros parceiros ministeriais, que somarão força conosco para, juntos, ganharmos a Amazônia para Jesus!
FC: Um conselho que deixaria à mulheres que desejam fazer missões.
N: Abandone tudo o que te impede de cumprir o chamado de Deus na sua vida, pois não existe lugar melhor para se estar do que no centro da vontade de Deus. Quando você se dispõem a obedecê-Lo, toda a carência, seja ela física ou emocional, será suprida. Não tenha medo, pois é o Senhor quem capacita, se não fosse assim eu não estaria aqui hoje.
“Assim diz o SENHOR que te criou e te formou desde o ventre, e que te ajudará: Não temas, serva minha a quem escolhi. Porque derramarei água sobre o sedento, e rios sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade, e a minha bênção sobre os teus descendentes”.
(Para vizualizar a matéria da revista FelizCidade, clique AQUI e selecione a página 22-23)

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Seleção de Fotos - Turma 4 - Resumo das Semanas 10 e 11

~1~
Radical Patrícia com as personagens utilizadas na apresentação do trabalho prático da disciplina Evangelismo Infantil.


~2~
Radicais André, Gutemberg e Lúcio (manipulando fantoche, atrás da lona azul), apresentando o trabalho prático da disciplina Evangelismo Infantil. 


~3~
Radical Gutemberg cozinhando no forno a lenha. 


 ~4~
 Radicais Lúcio, André e Gutemberg com um morador da comunidade do Tupé.


~5~
Morador da comunidade do Tupé visitado pelos Radicais.


~6~
 
 Radicais André, Patrícia e Gutemberg  com moradores da comunidade indígena do Tupé.


~7~
 
 Radicais Karol, André, Gutemberg e Lúcio, ao lado de um morador da comunidade do Tupé que acabara de entregar sua vida a Jesus.


~8~
 
Radicais e equipe fazendo devocional pela manhã.


~9~
 
Radicais limpando a área onde será erguido o novo alojamento do CFMA.


~10~
 
Radicais limpando a área onde será erguido o novo alojamento do CFMA.


~11~
 
Almoço com os radicais.


~12~
 
Josias Lira conatndo seu testemunho de vida aos Radicais.


~13~
 
Lucas X, o atual barco usado para trasnportar os radicais e a equipe de liderança.


~14~
 
Radical André descansando após subir a ladeira carregando dois baldes  de água.


~15~
 
Vista da casa do gerador.


~16~
 
Galinha chocando  ovos no galinheiro.


~17~
 
Radical Karol cozinhando.


~18~
 
Devocional com o ministro de missões Lucas Pacheco, da PIB de São José dos Campos, em visita feita aos radicais.  


~19~
 
Radical Lúcio, Exibindo o novo corte de cabelo, depois de quase três meses sem visita ao canbeleireiro.


~20~
 
Placa da Junta de Missões Nacionais, responsável pelo Projeto Radical Amazônia.


~21~
 
Placa do Centro de Formação Missionária da Amazônia (CFMA), atual base do Projeto Radical Amazônia.


~22~
 
Vista do local onde está sendo cavado o poço.


~23~
Casca dos ovos dos pintinhos recém nascidos.


~24~
  Galinha e seus pintinhos; os primeiros filhotes nascidos na Nova Base.


~25~
Pintinhos; os primeiros filhotes nascidos na Nova Base.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Testemunho Radical

video

Testemunho de Rafael Bonfim. Formado na segunda turma do Radical Amazônia, Rafael está morando atualmente em uma comunidade ribeirinha no interior do Amazonas.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Seleção de Fotos - Turma 4 - Resumo das Semanas 8 e 9

~1~
Radicais e liderança levando o gerador para a base.
*
*
*
~2~
Visita especial de Cláudio Márcio e sua esposa Rosemeire, Pr. Eliezér Vita, Joisas Lira, Pr. Djalma Cabral e sua filha Bárbara.
*
*
*
~3~
Radicais da turma 4: Karol, Patrícia, Lúcio, André e Gutemberg (esquerda para direita)
*
*
*
~4~
Radicais Lúcio e André dando boas vindas aos visitantes.
*
*
*
~5~
Radicais Karol e Patrícia dando boas vindas aos visitantes.
*
*
*
~6~
Radical Gutemberg dando boas vindas aos visitantes.
*
*
*
~7~
Cláudio Márcio e o caseiro Lucivaldo preparando o material para a aula de evangelismo criativo.
*
*
*
~8~
Liderança conversando sobre a construção do Centro de Formação Missiológico da Amazônia.
*
*
*
~9~
Radical André com o Pr. Eliezér Ferreira Vita.
*
*
*
~10~
Lucivaldo mostrando os primeiros ovos botados pelas galinhas na Nova Base.
*
*
*
~11~
Radical Patrícia com Sansão, o cachorro da Nova Base.
*
*
*
~12~
Cláudio Márcio ministrando aula de evangelismo criativo para os radicais.
*
*
*
~13~
Radicais na entrada do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), preparando-se para iniciarem o curso de sobrevivência na selva.
*
*
*
~14~
Simba, onça de estimação do CIGS, recepcionando os radicais.
*
*
*
~15~
Dudu e Marinalva tentando pôr em prática o que aprenderam na instrução de como fazer fogo.
*
*
*
~16~
Jibóia usada no curso de manipulação de ofídios.
*
*
*
~17~
Equipe na lancha do exército, a caminho de uma das bases do CIGS.
*
*
*
~18~
Radicais preparando-se para uma caminhada na floresta montados em búfalos.
*
*
*
~19~
Equipe reunida na instrução de logística na selva.
*
*
*
~20~
Equipe reunida na instrução de alimentos de origem vegetal.
*
*
*
~21~
Pr. Isaque experimentando o sopão do exército, feito a partir de uma mistura de frutas e legumes da região.
*
*
*
~22~
Marinalva mostrando um cacho de babaçu.
*
*
*
~23~
Pr. Donaldo expermentando a água do cipó-água, uma das fontes de hidratação oferecida pela selva.
*
*
*
~24~
Equipe reunida ao final da instrução.
*
*
*
~25~
Radicais e equipe na formatura do curso de sobrevivência na selva ministrado pelo Exército Brasileiro.